Deve-se evitar a tentação de, nos raros momentos de graça e completude interna, considerar isso uma consequência de uma conquista de nossa personalidade sobre o mundo. Tolice e falta de humildade. O mundo não se conquista.
Aquela sensação tem mais a ver com compor a paisagem, ou como uma célula que de repente tomasse consciência e observasse o organismo vivo que integra.
Vícios a evitar obstinadamente: grandiloquência e excesso de personalidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cap. 68 - O Jogo da Amarelinha