Horas impolutas
Como puras e sem manchas
São as águas 

Horas impolutas
Como duras e sem tramas
São as pedras

Horas poluídas...
Corroidas, carcomidas
Pelas falas

Horas poluídas
Sem o viço, sem o brilho
De outras eras

Horas corrompidas
Pelas línguas, pelas garras
Da humana fera

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cap. 68 - O Jogo da Amarelinha