Imagine-se muito tempo adiante, como um espectador dos próprios fracassos. Veja como estará deteriorada a sua dimensão outrora imaginada. Agora retroceda. Desfaça o exercício. Olhe de novo ao redor. Sim, existem árvores, um céu descomunal e belo. E o sol. O sol.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cap. 68 - O Jogo da Amarelinha