poema 256

Criar intimidades com o vento
que me segue onde quer que eu vá

Criar intimidades com o sol
que me aquece onde quer que eu esteja

Criar intimidades com o chão
que me serve por onde quer que eu ande


Criar intimidades com o silêncio...
superfície em que tudo se encosta

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cap. 68 - O Jogo da Amarelinha