poema 250

Toda poesia que faço
É pelos dias que pulo

De Catmandu conheço apenas
Seu peso em meu estômago

Meus silêncios são feitos
De muitas vozes invertidas

Entre fatos e sonhos
Não vivi um dia sequer


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cap. 68 - O Jogo da Amarelinha