Da arte das armadilhas

O seu corpo para o meu:
seta,
precisamente

Inaudível
o mundo mudo
aciona o fecho
da flor

Há desilusão
mas não há
fuga

O caçado está preso
à presa



Ana Martins Marques. “DA ARTE DAS ARMADILHAS”, livro de poemas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cap. 68 - O Jogo da Amarelinha