A culpa e o desejo disputam a pérola
A virtude a isola de sua concha pretérita
Renega seu passado de areia e sal, mortal.

O desejo a profana com tudo o que ela tem de maré
Em plena luz, lambe todos os seus poros
Liberta e afirma.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cap. 68 - O Jogo da Amarelinha