poema 248

Renúncias calcinadas
Sopram, erguem
Folhas mortas

O baile de ausências
Alimenta a voz raivosa que
Muda
Late pra dentro

A marionete sorridente
Pisa em brasas quentes
E o beijo
É adaga

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cap. 68 - O Jogo da Amarelinha