poema 240

I.

Ao descer da altura de minhas palavras
percebi que não aprendera ainda nada.

E que toda risada deixava 
um resto de esgar na boca.

Todo amor deixava
um resto de ódio na boca.

II.

A boa educação 
dever ser superada pela franqueza
a inaugurar o respeito dos leões.

O deboche e a piada
ajudam a ruir o pedestal do Eu.

Passar merda na cara não ajuda:
é pura vaidade.


III.

Viver poeticamente
é fazer sorrir o mais triste dos homens.
(os verdadeiros poemas se fazem de gestos)

Que seus experimentos
o aproximem dos elementos:
Ar, terra, água, fogo.

Que seus experimentos
não atirem ao vento

seu tempo precioso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cap. 68 - O Jogo da Amarelinha