poema 230

Meus pés trôpegos confirmam a existência do mundo
e me abrem
à percepção de sons & cheiros.

Meus pés trôpegos estabelecem
uma nova forma de interagir com as coisas.
[Meus pés definem o chão de concreto.]

Não há voz certa para cantar...

As rupturas de um homem dão a medida de sua altivez.

Há duas formas de descobrir a verdade de si:
pela inteligência
ou pelos sentidos.

Ao menos um desses caminhos, é acessível a todo e qualquer homem.

Quando se sabe disso, discutir a mentira... discutir a mentira...
torna-se um teatro de fantoches.

[Há tantos enforcados
em um mundo de sombras.]

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cap. 68 - O Jogo da Amarelinha