poema 227


Quem
a começar por mim mesmo
ouviu algo que não foi dito pela própria boca?

Quem
a começar por mim mesmo
viu algo que não fosse o próprio desejo transmutado?

Quem
a começar por mim mesmo
olhou com os olhos neutros de um bezerro?

Quem
a começar por mim mesmo
amou algo que não lhe dissesse respeito?

Quem
a começar por mim mesmo
pôde amar em sigilo, anonimato?

Quem
a começar por mim mesmo
pôde amar sem estender tentáculos?

Quem
a começar por mim mesmo
pôde amar sem precisar estar?

Quem
a começar por mim mesmo
esteve onde nunca esteve?

Quem
a começar por mim mesmo
compreendeu mesmo aquilo que não entendia?

Quem
a começar por mim mesmo
conseguiu cinco minutos de descanso de si mesmo?

Quem
a começar por mim mesmo
tem os olhos doces, a mão suave?

Quem
a começar por mim mesmo
compreende o valor de todas as forças?

Quem
a começar por mim mesmo
sabe a hora certa de terminar
e deixar que o silêncio prossiga com a canção?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cap. 68 - O Jogo da Amarelinha