poema 224

As imagens assentam estacas
por onde passa o pensamento
por onde bois passam

As imagens tecem teias
que fremem ao frio
que envolvem insetos surpresos

As imagens erguem muros
por onde a palavra se escora
por onde Teseu avança firme

As imagens oferecem alento
como o vento mais suave
como a luz do fim de tarde

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cap. 68 - O Jogo da Amarelinha