O ANJO DAS PERNAS TORTAS


A um passe de Didi, Garrincha avança
Colado o couro aos pés, o olhar atento
Dribla um, dribla dois, depois descansa
Como a medir o lance do momento.

Vem-lhe o pressentimento; ele se lança
Mais rápido que o próprio pensamento
Dribla mais um, mais dois; a bola trança
Feliz, entre seus pés – um pé-de-vento!

Num só transporte a multidão contrita
Em ato de morte se levanta e grita
Seu uníssono canto de esperança.

Garrincha, o anjo, escuta e atende – Goooool!
É pura imagem: um G que chuta um o
Dentro da meta, um l. É pura dança!

Vinícius de Moraes

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cap. 68 - O Jogo da Amarelinha