CIDADE de orgias, caminhadas e prazeres,
Cidade que, por tudo aquilo que vivi e cantei em seus meandros, algum dia farei
famosa;
Seus cortejos, seus panoramas em constante mudança, seus espetáculos não me
recompensam,
Nem os intermináveis quarteirões de casas, nem os navios nas docas,
Nem os desfiles nas ruas, nem as vitrines brilhando cheias de mercadorias,
Nem a prosa com pessoas letradas ou minha parte em festas e recepções;
Nada disso, mas quando passo Ó Manhattan, seus frequentes e reluzentes olhares que me oferecem amor,
Oferecem resposta ao meu amor – isso, sim, me recompensa,
Amantes, amantes de todos os dias, só eles me recompensam.


Cálamo, Walt Whitman

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cap. 68 - O Jogo da Amarelinha