Canção ao jogador de futebol



A Walt Whitman e Sócrates Brasileiro

Ó, altivo jogador de futebol, equilibrista entre a força, a precisão e a visão.
Em seu campo de terra ou grama, sua existência oscila entre o corpo e o espírito; homem que pensa apenas na exata medida para atingir seus objetivos físicos, que se livra da gordura excessiva do pensamento sentado, do pensamento burocrático.
Ó, jogador de futebol, que acontece todo no movimento de chute, na explosão muscular da perna; o arco que ela descreve no ar.
Há coisa mais bela do que seus movimentos concatenados, jogador?, do que a bola que você amortece no peito, acompanha com o olhar, e depois fuzila no gol adversário? Há coisa mais incrível do que sua precisão de ave caçadora, que busca no ar sua presa, a bola, para acertá-la com a força do crânio e toda a força que ele traz desde os pés?
Ó, jogador de futebol, que também destrói, intercepta, interrompe o itinerário de seu adversário. Você também é assassino, jogador, saiba disso, que aniquila sem piedade, que luta por todo e qualquer espaço como a planta que se contorce em busca do sol.
Você e seus companheiros, jogador, orquestram estratégias, trocam passes, pensam em como anular o adversário. Que invejável compreensão silenciosa o entrosamento entre você e seu companheiro!, que percebe em sua corrida pela direita o próximo passo, o próximo passe a dar!
Também tão bela é a vitória do pensamento que antevê o movimento inimigo e o aborta! Prova irrefutável da comunhão que existe entre corpo e mente, entre meu corpo e sua mente, entre minha mente e seu corpo!
E no intervalo de suas partidas, jogador, você vocifera como um lobo, bebe água como um camelo e se molha fartamente, provocando um pouco de inveja nas plantas estáticas. E depois retorna à peleja como um guerreiro romano!
E quando você faz um gol de beleza incontestável, jogador?, admirado por todos, que arranca aplausos de amigos e inimigos, que prova que a vida é feita de vida e morte, de amigos e inimigos, mas que há uma força maior, que indubtavelmente arrebata todos os homens: a força soberana da beleza.
Você tem consciência de seus privilégios, jogador?
Você desenvolve seu jogo com tal consciência?
Eu lhe digo: se você ainda não desenvolveu essa consciência, abra os olhos, desenvolva-a, e seu prazer, sua graça, sua habilidade, se multiplicarão, jogador!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cap. 68 - O Jogo da Amarelinha