Percebi que estar com aqueles de quem gostamos basta,
Parar em companhia dos demais à tarde basta,
Estar cercado de corpos belos, curiosos, frescos e sorridentes basta,
Passar entre eles ou tocá-los ou descansar meu braço sempre tão leve ao redor do
         pescoço de um dos homens ou uma das mulheres por um instante – o que será
         isso?
Não peço mais prazer, mergulho nessas coisas como fossem o mar.

Existe alguma coisa em estar perto de homens e mulheres e olhar para eles, 
no contato e no odor deles, que deixa a alma muito contente,
Todas as coisas deixam a alma contente, mas essas a deixam contente demais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cap. 68 - O Jogo da Amarelinha