Poema 106

Não se pode dizer
que as nuvens andam
que caminham
E tal constatação
me parece de uma clareza
solar
meridiana
que dispensa explicações

Então o quê?

Dir-se-ia simplesmente que voam?
Não creio
Voar me parece atributo
de quem pode alguma outra coisa
como pássaro
que pousa
ou pipa
que para
Também não galopam
Galopar envolve
ruído
e
longe disso
as nuvens são silenciosas
são como sedas incertas

O que então
dizer aos meus olhos
insaciados de admiração
de tombar
nuca
cheios de vontade de expressar
o mistério
desse amor
em um verso certo
e
preciso?

Dizer aos meus olhos isto:
um verso de Ferreira Gullar
que resolveu meu amor
impregnando-se em minhas retinas brancas
pra sempre:


“As nuvens nuvem”

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cap. 68 - O Jogo da Amarelinha