Um Sopro de Vida

AUTOR. – Quando eu me concentro me concentro sem querer e sem saber como consigo mas consigo independente de mim. Ou melhor: acontece. Mas quando eu mesmo quero me concentrar então distraio-me e perco-me no “querer” e passo somente a sentir o querer que vem a ser o objetivo. E a concentração não se faz. A vontade tem que ser escondida se não mata o nervo vital do que se quer.


Clarice Lispector, “Um Sopro de Vida”, pg. 86

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cap. 68 - O Jogo da Amarelinha