poema 175

Serpenteando em linha reta
portas despejam horizontes humanos
apanhados por minhas pupilas
(um ou outro)

Nas veias prateadas paralelas
em que passamos
galáxias mudas se dizem adeus
e uma voz mecânica anuncia a
chegada

O espaço entre as estrelas
chega a ser menor
que o que há entre nós
baby

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cap. 68 - O Jogo da Amarelinha