Janela para o mundo, de Milton Nascimento





Da janela, o mundo até parece o meu quintal
Viajar, no fundo, é ver que é igual
O drama que mora em cada um de nós
Descobrir no longe o que já estava em nossas mãos
Minha vida brasileira é vida universal
É o mesmo sonho, é o mesmo amor
Traduzido para tudo o que o humano for
Olhar o mundo é conhecer
Tudo o que eu já teria de saber

(Canto)
Estrangeiro eu não vou ser
Estrangeiro eu não vou ser
Ê,ê,ê,
Estrangeiro eu não vou ser ê,ê

Da janela, o mundo até parece o meu quintal
Viajar, no fundo, é ver que é igual
O drama que mora em cada um de nós
Descobrir no longe o que já estava em nossas mãos
Minha vida brasileira é uma vida universal
É o mesmo sonho, é o mesmo amor
Traduzido para tudo o que o humano for
Olhar o mundo é conhecer
Tudo o que eu já teria de saber

(Canto)
Estrangeiro eu não vou ser
Eu não vou
Cidadão do mundo eu sou
Estrangeiro eu não vou ser
Cidadão do mundo eu sou
Cidadão do mundo eu sou
Cidadão do mundo eu sou
Estrangeiro eu não vou ser
Ê,ê
Ê,ê
Ê,ê
Estrangeiro eu não vou ser
Cidadão do mundo eu sou, eu sou, eu sou.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cap. 68 - O Jogo da Amarelinha