Explicação que deveria ter vindo antes


Essa voz que fala aqui foi a única que encontrei. Melhor: que finalmente aceitei. Negava faz tempo. Me refiro a este jeito de escrever. Desorganizado. Sou desorganizado. E burro: por exemplo, não entendo de intumescências. Sou puro ignorante mesmo. Mas preciso escrever pra seguir vivendo, é uma necessidade vital. Tentei conhecer as regras, aprendê-las, mas não nasci para as regras da escrita. Me falta inteligência. E estou sendo honesto aqui. Essa minha voz equivale a ignorância mesmo. Por exemplo, tive dúvida se esse último a levaria crase. Mas pra que não fiquem dúvidas (por conta da última fala): falo de uma ignorância, de uma burrice, ampla e irrestrita. Que vai desde o desconhecimento das regras gramaticais, passa pela completa ignorância sobre o que é o amor e termina na total incapacidade de inventar lívidas lâminas de peixes. Mas eu preciso escrever. A encruzilhada era: abrir as comportas e respirar ou falhar eternamente tentando aprender as regras. Enxurrada. Estou respirando um pouco melhor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cap. 68 - O Jogo da Amarelinha