Sentirei uma tristeza disforme e habitante do labirinto por onde transitam as sombras de minhas recordações, que me assombram com sussurros e sugestões. Eu quereria ter mãos em meus olhos para poder agarrar os momentos. E uma caixa para metê-los dentro; deixá-los curtindo, livrando-se da gordura desnecessária, para, feito madeira seca, servirem de matéria prima ideal.

Comentários

patricia anette disse…
isso definitivamente não é um exercício.

Postagens mais visitadas deste blog

Cap. 68 - O Jogo da Amarelinha