poema 44

Não existe o Tempo

para o pinhão que dorme

em uma relva de folhas

adormecidas


Não existe o tempo

para as formigas que fazem

caminhos em teias de sono


Existe o Tempo

apenas para mim

que ainda não descobri

que nada há

para além do presente

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cap. 68 - O Jogo da Amarelinha