exercício literário - tensão

agachado, joelhos colados, as mãos que os enlaçam. a água quente que despenca nas costas. de repente, um forte barulho de impacto acompanhado por uma chuva de cacos de vidros que o atingem. o sangue imediatamente tinge de vermelho a água que escorre para o ralo. espantado, levanta os olhos: o vidro foi destruído. tomado de pavor, busca uma resposta ao redor. um projétil repousa na outra extremidade do banheiro. um tiro o atravessou. dominado pelo medo, volta os olhos ao vão que se abriu. consegue entrever os andares superiores do prédio vizinho. “o atirador estará a espreita”, pensa.

Comentários

Pedro Bigardi disse…
Olá, Diogo! Parabéns pelo blog.

Te escrevo porque é preciso que se leve opções culturais para todos os bairros de Jundiaí. Por conta disso, apresentamos uma proposta no Cidadonos.

Peço que a leia, comente e dê o seu apoio no link http://www.cidadedemocratica.org.br/topico/2981-criacao-do-programa-cultura-nos-bairros

Um abraço!

Postagens mais visitadas deste blog

Cap. 68 - O Jogo da Amarelinha