poema 32

Por trás de cada coisa bela
existiu um homem rangendo os dentes

Por trás de cada coisa bela
existiu um homem contando moedas

Por trás de cada coisa bela
existiu um homem destratando outro homem


Por detrás de cada coisa bela
sempre habita o feio

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cap. 68 - O Jogo da Amarelinha