- "Acho que está faltando algo..."

- "Mas sempre está", respondeu Dario, tentando disfarçar sua prepotência de metafísica.

- “Não, não é isso... Quer dizer, sempre faltará algo em tudo, claro, mas aqui ainda parece faltar algo do possível, quero dizer, do que poderia estar aqui”.

- “Entendo...”

- “Mas eu acho que está bom... digo, as cores, realmente está muito bem pintado.”

- (Dario sorri sem mostrar os dentes, com o olhar fixo no olho esquerdo de seu amigo colorido).

- "Besteira, agora não adianta elogiar. E ligue o som. Coltrane, sim. Penso e pinto melhor ouvido jazz, você sabe."

- (Leila se dirige ao quarto à procura do show de Viena, 1977: de quebra, o piano de Monk.)

- "Mas me diga: agora resolveu pintar pessoas? Que aconteceu com suas naturezas mortas? Resolveu finalmente enterrá-las?", e pôde rir porque Dario não a via.

- (Dario de imediato vai até a porta do quarto e a espera encontrar o disco. Ascende um cigarro: o ruído metálico de seu isqueiro a faz perceber sua presença no cômodo).

- (Leila estava de costas e se vira a ele com a cabeça baixa, armada de sorriso).

- "Desistiu das naturezas mortas?" (o tom da sua pergunta é agora muito dócil e gentil)

- "Por que você não se cala, hein? E me prepare um penne à bolonhesa, que é a única coisa boa que você sabe fazer."

- (Ela liga o aparelho e o macaco saltitante invade a sala com a rapidez de costume. Leila cruza Dario, encara-lhe firmemente, enquanto, com um raspão, desliza sua mão direita pela coxa. Leila sabia fazer muitas outras coisas que o agradavam)

- "Na verdade...também gosto muito de seu queijo frito, mas estou com fome de verdade. O penne, sim, o penne..."

(Leila continuava sorrindo, mas agora de triunfo. Sim, o queijo frito...)

Comentários

Nataly Callai. disse…
tu já assistiu "p.s eu te amo"? enfim, imaginei essas pessoas num apartamento que a hillary swank vai tentar vender pra um casal, ela briga com todo mundo, não vende nada. enfim. não sei pq tô dizendo isso. ah! o dario, é o dario grandinetti. e leila não tem cara, ainda.

favoritei-te, voltarei mais vezes.

Postagens mais visitadas deste blog

Cap. 68 - O Jogo da Amarelinha