Quando eu cheguei à agência de empregos, Pat estava sentada em sua mesa. Como todas as outras vezes ela imediatamente pediu que eu "sentasse e aguardasse por alguns segundos". Ela sempre dizia isso mesmo que imediatamente perguntasse o que eu queria. Pat era uma velha gentil. Uma de suas mãos, a que usava para escrever, sofria de algum problema. Seus dedos eram todos tortos e lhe custava um grande esforço escrever. Eu lhe disse que perdera meu emprego fixo e estava disponível novamente.
"Tenho trabalho para você até sexta-feira", disse-me. "Amanhã na associação do oriente-médio. Quinta e Sexta, na Escola de negócios de londres".
"Isso está bem, Pat". Peguei os mapas dos locais e fui embora.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cap. 68 - O Jogo da Amarelinha