Logo no hall de entrada havia um telão. Algum comentarista da CNN analisava gráficos e mais gráficos. Verdes, vermelhos, azuis. Imaginei que os vermelhos provavelmente não indicavam algo bom, os azuis sim, mas os verdes eu não fazia nenhuma idéia. Perguntei ao recepcionista aonde esperavam os garçons. Haveria alguma formatura naquele dia na Escola de Negócios de Londres. Ele me indicou o caminho. Passei por um jardim e vi um bando de adultos vestidos com umas batas pretas. Provavelmente em alguns minutos eu os estaria servindo whisky e champanhe.
O meu contato lá era um calvo de meia idade. Parecia um porco com suas bochechas cheias e rosadas.
"Você está aqui para a festa?"
Respondi que sim, que trabalhava para a agência.
"Pode voltar para a casa. Com essa barba você não trabalha aqui"
Minha barba era apenas de um dia. Quase imperceptível. Eu lhe disse que não podia voltar para a casa. Precisava do dinheiro.
"Você tem dez minutos para voltar com essa barba feita"
Ouvi alguém dizendo que havía um mercadinho perto da escola. Bastava sair e dobrar à direita. Corri para lá. Uma indiana me vendeu um barbeador descartável. Perguntei se podia barbear-me ali mesmo. Disse que perderia meu trabalho se não o fizesse.
"E eu preciso do dinheiro"
Ela me indicou a direção do banheiro. Fiz a maldita barba e voltei para o trabalho.
Naquele dia basicamente serviríamos as bebidas em um grande jardim. Depois, quando todos estivessem com taças nas mãos, as mulheres começariam a servir a comida. Os homens circulariam com as garrafas para o reabastecimento.
A festa já se aproximava do fim quando um deles me chamou pedindo que eu tirasse uma foto do seu grupo de amigos.
"Claro", respondi. Deixei minha bandeja de lado por um momento. Peguei a câmera. Quando eu me preparava para bater a foto, ouvi uma voz sugerindo que todos repetissem a palavra "rico" na hora da foto. Gargalharam em sinal de concordância.
"Ricos!!!", gritaram todos ao mesmo tempo. Entreguei-lhe a câmera e voltei para minha bandeja.

Comentários

Henrique Parra disse…
um romance começa a surgir...

só precisa de alguma jovem rica que nao bebe o champenhe por você servido.

ela olha a todos com uma estranha calma e quando todos gritam ricos ela cala e olha para baixo.

ache ela se possivel!
TAQUARAL disse…
Essa parte foi foda!

Postagens mais visitadas deste blog

Cap. 68 - O Jogo da Amarelinha